terça-feira, 2 de novembro de 2010

Vejo

Vejo os céus, a terra e o mar
Vejo tudo em pele de gente
E não quero perder de vista
Perder a beleza de teus olhos, tua boca
Pois estou vivo no toque
Cheio dos impropérios dos pobres, feios e safados
Que não sabem nada sobre a energia e movimento de um amor
Sobre o andar encantado de uma mulher
Sobre noites entrelaçados
Sobre beber na mesma taça e umbigo
Nada sabem sobre corpo e amor
Sobre vento na face
Sobre ver céus, terra, mar e mulher

Nenhum comentário:

Postar um comentário